redução da taxa Selic

Não é novidade para ninguém que o Brasil tem passado por uma crise econômica acentuada com a chegada do novo coronavírus. A pandemia trouxe tanto impactos sanitários quanto econômicos e alterou a vida da grande maioria dos brasileiros. 

A fim de regulamentar a inflação e aquecer o consumo, o governo usou de diversas práticas econômicas, inclusive a redução da taxa Selic. Como resultado, alguns investimentos financeiros se tornaram mais perigosos, enquanto outros mais vantajosos.

O mercado imobiliário, por exemplo, que já era um dos mais otimistas para o ano de 2020, ganhou destaque, mesmo diante da crise. A queda da taxa Selic e outros incentivos do governo, transformaram o mercado imobiliário no melhor investimento deste ano.

Quer saber mais sobre como funciona a taxa Selic e o que a sua redução representa para os investimentos financeiros? Então continue a leitura!

O que é e como funciona a taxa Selic?

A taxa Selic é a taxa básica de juros do Brasil e é usada como base para definir todas as outras taxas do país. Essa é regulamentada pelo COPOM (Comitê de Política Monetária do Banco Central) que a cada 45 dias se reúne para definir o percentual da taxa.

Durante as reuniões, a taxa pode se manter estável, aumentar ou diminuir dependendo da situação econômica do país. Isso porque a economia não é estável, sendo preciso mudanças para que haja um equilíbrio e que o dinheiro continue circulando. O principal objetivo das variações da taxa Selic é regulamentar a inflação.

Como assim? O aumento da taxa Selic desacelera a economia, objetivando reduzir a inflação. Já a redução da taxa objetiva estimular o consumo, aquecendo a economia, mas aumentando a inflação que está em baixa. A redução da taxa Selic implica na queda das demais taxas, como de financiamento, empréstimos e no retorno em aplicações financeiras. 

Este ano, o COPOM realizou sucessivas quedas na taxa Selic, sendo a atualização mais recente em agosto de 2020, quando ela ficou definida como 2% ao ano – a menor da história do país. Até hoje, 21 de setembro, a taxa se manteve neste índice.

A redução da taxa Selic e o impacto nos investimentos

A queda da taxa Selic tem impacto nas demais taxas de juros, tendo grande influência na remuneração de diversos investimentos. 

O Tesouro Selic tem direta relação com a taxa. Por essa razão, com a queda, o rendimento diminui muito. O mesmo acontece com a rentabilidade da poupança e dos investimentos em renda fixa. Para margem, com a redução da taxa Selic, alguns investimentos chegam a ter rentabilidade negativa. Sendo assim, neste cenário, não é vantajoso deixar o dinheiro parado na poupança, por exemplo.

Além disso, a desvalorização do real frente ao dólar e a instabilidade econômica no país tornam investimentos na bolsa de valores muito arriscados, assim como os investimentos no exterior praticamente inviáveis. 

O melhor momento para comprar imóveis

Diferentemente dos outros tipos de investimentos citados, o investimento em imóveis tem sido considerado a melhor opção para 2020. A queda da taxa Selic reduziu as taxas de juros de financiamento, além de tornar o crédito bancário mais acessível.

Como resultado, quem antes já podia comprar um imóvel, agora poderá fazer um investimento mais luxuoso e conquistar um alto padrão de vida para a família.

Outro ponto que merece destaque é a segurança proporcionada por investimentos em imóveis. Independentemente da situação econômica do país, um apartamento em um bom bairro tende a se valorizar com o tempo, e, caso seja preciso, é muito fácil de vendê-lo.

Além disso, o imóvel adquirido pode ser usado para aluguel, possibilitando uma opção de rendimento para quem já tem uma casa ou apartamento próprio.

Sendo assim, o investimento imobiliário consegue unir o melhor da renda fixa (segurança e proteção do dinheiro investido) com a grande vantagem da renda variável que é a alta valorização.

Como escolher o imóvel para investir?

Independentemente se o imóvel a ser adquirido for para morar ou para investir, a localização deve ser privilegiada. A cidade e o bairro escolhido impactam diretamente na qualidade de vida dos moradores. 

Portanto, escolher uma região com boa infraestrutura e segurança é importante tanto para a sua família quanto para a valorização do imóvel. Sendo assim, é válido procurar por cidades e regiões que possam te propiciar o melhor investimento, como é o caso de Florianópolis (SC). 

A cidade foi eleita, pela Tourist Maker, como a melhor cidade para se viver na America do Sul. E segundo o Telegraph, está entre os vinte melhores lugares do mundo para se investir em imóveis. Caso você ainda tenha dúvidas, conheça mais sobre Florianópolis e descubra todos os motivos para se apaixonar pela cidade. 

Gostou do conteúdo? Saiba mais sobre a redução da taxa Selic e sobre o mercado imobiliário no blog da CFL Imóveis.